Namoro com compromisso

Hoje em dia percebe-se uma discução muito grande sobre o que realmente simboliza um compromisso entre duas pessoas. Nessa nova geração de relacionamentos cristãos, está na moda o periodo de oração, mas será que esse período significa algum tipo de compromisso com a alguém? O compromisso começa somente com o namoro, ou somente no casamento é que realmente existe uma aliança e um contrato verdadeiro entre as duas partes?

Segundo a Enciclopedia Histórico-Teológica da Igreja Cristã aliança é “um pacto ou contrato entre duas partes, que as obriga mutualmete a assumir compromissos cada uma em prol da outra”, como por exemplo as alianças feitas entre Deus e Abraão, ou entre Deus e Davi.

Em conversas com outros cristãos é quase uma unanimidade o fato de já haver um compromisso entre duas pessoas ja no periodo de oração. Quando duas pessoas decidem orar juntas existe um propósito, que é de se conhecer e e buscar direções divinas quanto a intenção que ambas as partes possuem em obter um relacionamento de namoro. O compromisso existe pelo fato de as duas pessoas estarem prometidas uma a outra, já existe uma comunicação sobre haver um sentimento comum entre ambos e que não existe a possibilidade de naquele momento essas duas pessoas estarem abertas ao mesmo tipo de comunicação com outras pessoas. Esse período é ótimo período para se colocar em ação o amor “storge” de amizade (Rm 12.10; Ec 4.9- 12; 1Co 13.7).

Em Marcos 12.29-33 Jesus mostra como deve-se viver a vida, amando a Deus acima de todas as coisas e amando ao próximo como a ti mesmo. Asssim também deve ser qualquer o tipo de relacionamento entre duas pessoas que visam uma união matrimonial. Qualquer que seja o compromisso existente, ele deve primeiramente ter a Deus como o foco, a glória de Deus (1Co 10.31) deve ser promovida através desse compromisso. Esse compromisso seja ele qual for deve conter também o amor ao próximo, considerar o cônjuge superior a si mesmo, serví-lo assim como servimos a Deus (Mt 25.40).

Um compromisso genuíno necessita do entendimento e prática de espelhar a imagem de Deus (Gn 1.27) e espalhar a glória de Deus um compromisso, mas se não forem os propósitos citados a cima, vigentes do relacionamento, esse compromisso será inapropriado aos olhos de Deus. Pode-se até existir um compromisso, mas se não forem os propósitos citados a cima, vigentes do relacionamento, esse compromisso será inapropriado aos olhos de Deus.

Tiago Vercelino é ministro de Educação Cristã, pastor de adolescentes e QA’s na IBBR.
Escreve para o blog toda quarta-feira. 

A opinião expressa neste blog é responsabilidade do autor.