Satisfeita em Deus

Para quem não me conhece, sou uma mulher de 24 anos, solteira e moro com meus pais. Nesta semana eu estou participando de um congresso onde o tema gira em torno da família. Tudo aqui está ligado a família. A maioria das mulheres que vieram participar estão com seus maridos, é raro encontrar alguém solteiro por aqui (o congresso tem aproximadamente duas mil pessoas!). E grande parte das palestras parecem ser voltadas para essas pessoas. Mas não. Elas fazem muito sentido para mim também.

Eu tenho minha família: pai, mãe e um irmão mais velho. Moramos todos juntos. E ao ouvir tanta palestra e pregação sobre família, já me sinto muito grata pela família que Deus me deu. Pude perceber quão estruturada ela é, mesmo com sua bagagem de problemas e momentos difíceis, posso afirmar que tive uma base muito bem fundamentada.

Porém, hoje quero falar sobre o que tenho vivido e ouvido sobre ser mulher solteira na pós-modernidade e o que isso tem a ver com FAMÍLIA.

Sinto que muitas mulheres solteiras que conheço, se estivessem neste congresso, se sentiriam mal, excluídas ou com um vazio, como se estivesse faltando algo. Infelizmente, imagino que esses sentimentos surgem não pelo fato de serem solteiras aos 24 ou 25 anos, mas porque, lá atrás, enquanto cresciam,  foram ensinadas a priorizar seu relacionamento com o homem e não com Deus.

Não estou aqui para julgar e muito menos para me orgulhar em “estar bem e feliz” no meio de tanto casal, até porque só Deus sabe (e ainda bem que só Ele sabe) os desejos do meu coração quanto a ter minha própria família, meu maridinho e futuros filhos.

A diferença é que hoje me sinto completa. Me sinto plenamente satisfeita diante de Deus. Quando penso que  minha vida é para Jesus e somente para Ele, nada mais importa, o que vier é lucro. E acredito que grande parte dessa satisfação devo a minha família e ao que aprendi com ela.

Não estou dizendo que 100% do tempo eu sou 100% satisfeita. Claro que não. O que quero dizer é que nos dias difíceis de acreditar que família é plano primordial de Deus e que Ele preparou isto para mim também, volto para a bíblia e todas as promessas que Ele nos deixou ali. Deus nunca desamparou os seus. Ali, podemos encontrar tantas histórias de pessoas que, aos nossos olhos, nem mereciam e Ele se compadeceu. Jesus se compadeceu pelas mulheres e homens que passavam pelo seu caminho. Por que, então, Ele desampararia o meu coração?

Talvez, hoje, não esteja tão fácil casar e criar uma nova família. Estatísticas nos mostram como as pessoas estão ficando cada vez mais individuais e solitárias. Mas, nós mulheres cristãs, precisamos desacelerar e voltar nosso coração para o que Deus nos chamou para fazer.

Se hoje estou solteira, sei que Ele quer me usar em algo que eu faço melhor solteira, contudo, lembrando sempre que Ele não nos criou para ficarmos sozinhas. Dizem “solteira sim, sozinha nunca”, é verdade! Não desse jeito que subentende-se por aí, mas partindo do pressuposto que Deus não nos quer sozinhas em nenhum momento. Ele nos criou para relacionamentos. Invista tempo nas suas amizades, cuide de outras mulheres e abençoe vidas através da sua vida. Otimize e invista o seu tempo no que é eterno: Deus e pessoas.

Não se perca nas expectativas que o mundo cria em cima de você. Corresponda ao que Deus espera e não ao que o homem espera de você. Não existe uma fórmula, mas eu tenho certeza que você se sentirá amada com um amor que nenhum homem poderá te dar. Quando tomo a decisão de confiar em Deus e me posicionar – sim, isso é uma escolha –, é Ele quem sustenta esta escolha, porque, se dependesse só de mim, haveria dias em que não conseguiria manter a pose.

Por isso, é um privilégio eu ter 24 anos, morar com meus pais, estar solteira e com muitas amigas e amigos para cuidar. No momento em que isso já não fizer tanto sentido para mim e para Deus, é Ele quem vai cuidar de tudo. Se ficou difícil, se os dias não tem sido dos melhores, decida começar de novo. Se relacione, cuide de vidas, invista tempo na sua comunidade e na comunhão com as pessoas ao seu redor. Você só vai vivenciar este privilégio quando se expor à isto.

“Nossa decisão firme é trabalhar com base nesta premissa: um homem morreu por todos. Essa realidade põe todos no mesmo barco. […] Por causa dessa decisão, não julgamos ninguém pelo o que possui ou pela aparência. Houve um tempo em que julgamos o Messias dessa maneira, e estávamos errados. Não vemos mais assim. Agora olhamos para dentro, e o que vemos é que qualquer um, unido ao Messias, tem a chance de um novo começo e é criado de novo. A velha vida se foi. Uma nova vida floresce! É demais!

Tudo vem de Deus, que nos quer em relacionamento com ele e nos chamou para viver relacionamentos com nossos semelhantes.” 2 Coríntios 5.16-20 (Versão A Mensagem)

e

Suelen Lorianny é ministra de comunicação na IBBR.
Escreve para o blog toda sexta-feira.

A opinião expressa neste blog é responsabilidade do autor.