2015 outubro

Aves solitárias

Posted by | Estudos e devocionais, Novidades | No Comments

“Eu sou igual a um pelicano no sertão e como uma coruja nas ruínas” Salmo 102:06

Nos Salmos encontramos a nossa humanidade. Assim como em alguns deles ouvimos falar de mistérios, em outros, como o 102, encontramos a mais clara expressão das perplexidades e angústias que experimentamos durante a vida.

Um pelicano no deserto e uma coruja sozinha num lugar destruído. O pelicano é uma ave aquática, dá para entender a perplexidade da coisa. E a coruja parece nos indicar alguém que observa a partir de um mundo em ruínas, como dizem algumas versões.

Ele fala de solidão, mas não apenas o estar sozinho, é também a solidão de sentir-se sozinho. Esse é o lamento de um homem que olha para sua terra destruída, e olha também para dentro de si.

Ele aguarda em silêncio, sabe que (v. 12 e 13) nada disso é permanente. Ele olha para um futuro em que Deusatenderá a oração do desamparado (v. 17).

9507af_dbad2d979e9e4b2ea7bda766fac7a8ee

O homem olha para si, e há desolação na sua alma. Mas ele olha também para a sua Terra, e a desolação é assombrosa! Quantos não estão como esse salmista hoje? Na solidão pessoal, e com um gemido pela Terra que vai sendo devastada por mãos ímpias?

Somos isolados nas nossas dores, solitários, pois ninguém mais pode experimentar o que experimentamos. E somos unidos com nosso povo nas coisas que afligem nossa terra. Tais são as dimensões psicológica e social dos seres humanos.

Mas Deus é o Deus da História! E é o Deus que sabe como me sinto, pois não apenas contempla o ir e vir das coisas, Ele tomou sobre si a minha humanidade (e iniquidades). Deus não olha lá de cima, distante, o sofrimento humano. Ele está ao lado dos que choram e promete que toda lágrima enxugará!

O salmista esperava que seus descendentes vissem a salvação sobre sua Terra e seu povo. Nós temos a certeza de que veremos com nossos olhos e nEle viveremos, ainda quando todas as Terras não passarem de um ponto na longa história da Eternidade.

Ele não é só o Deus que te contempla, ele é o Deus que está andando com você nesse deserto!

Voemos!

Isaías Oliveira é membro na IBBR.
Escreve para o blog semanalmente.

A opinião expressa neste blog é responsabilidade do autor.

Coaching para pastores e líderes reuniu na IBBR igrejas de Curitiba e região

Posted by | Novidades | No Comments

O primeiro encontro DNA – Coaching para pastores e líderes aconteceu ontem na IBBR e, durante os dois dias de evento, cerca de 40 igrejas participaram. Foram momentos de aprendizado, compartilhar e troca de experiências com a orientação do Pr. Wagner Carvalho da Igreja Batista Central de Belo Horizonte.

Para o Pr. Osmar Gomes (IBBR), foi um evento gratificante: “como é bom dar as mãos a pastores que estão fazendo a mesma coisa em outras igrejas e saber que fazemos parte da mesma obra. Obrigado ao Pr. Wagner Carvalho (IBCBH) que compartilhou o método, mas, principalmente, a visão de Reino”, agradeceu.

12143144_932794350131690_7543600245018697603_n

Este foi o primeiro Coaching DNA em Curitiba e já existem mais 5 datas ano que vem. O primeiro será dia 26 de fevereiro de 2016. A rede de Pastores DNA Curitiba vem para fortalecer a visão de células e discipulado, que é comum a todas a denominações como a batista. Assim, como a Igreja Multiplicadora e os PGM’s, o DNA traz fortalecimento às igrejas e apoio mútuo entre os pastores na árdua, mas excelente tarefa de ganhar vidas para Cristo.

O culto realizado no primeiro dia está disponível online, é só clicar AQUI para assistir.

Mais informações sobre os próximo eventos em breve.

A verdadeira alegria

Posted by | Estudos e devocionais, Novidades | No Comments

“Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos”. 

                                                              Filipenses 4:4

Esse é o tema central da carta, a alegria! Mas não qualquer alegria, é uma muito específica e que só é possível para quem vive em  proximidade com o Senhor. “Alegrem-se”, diz o apóstolo, “no Senhor”. Ele repete várias vezes, o tema está lá, de um modo ou de outro, em todos os capítulos.

Falamos disso antes, “é um contentamento que independe das circunstâncias exteriores”. Não tem coisa mais estranha do que dizer que devemos nos alegrar quando tudo ao nosso redor nos diz o contrário. Mas Paulo o faz amparado na verdade eterna! Quem está em Cristo passou da morte para a vida!

felizchild

Não é uma alegria “forçada”, flui do Senhor, é fruto do Espírito (Gálatas 5:22). Não é uma coisa “da carne”. Por ela Paulo não tinha muito do que se alegrar. Ele estava preso e havia a possibilidade de que não sobrevivesse (Fp 2:17), mas isso pouco importava, “viver é Cristo, morrer é ganho” (Fp 1:21). Não é algo fácil de se entender, nem é algo para se entender mesmo. É algo que se experimenta na fé!

Nossa geração é uma das mais prósperas que já viveu, e mesmo assim há muita tristeza entre nós. Os sábios antigos já sabiam que a alegria sincera é terapêutica. ”O coração alegre é como o bom remédio, mas o espírito abatido seca até os ossos”, Provérbios 17:22.

Nossa prosperidade nos deu uma vida melhor, mas não tem o poder de nos dar uma paz verdadeira. Tampouco satisfação permanente. As pessoas vão vivendo de uma alegria temporária e barata, na esperança de que juntando momentos com momentos, a vida possa por fim ser boa. Mas isso não é alegria. É entretenimento. Só faz esquecer. Mas a memória volta…

A alegria que Cristo oferece não é isenta de sofrimento ou dor. Ela é uma flor que brota da certeza e da fé, e que brilha quando tudo mais está apagado.

O Deus que falou por Paulo sabe que temos razões demais para andarmos ansiosos, e essa ansiedade é um dos ingredientes do nosso excesso de tristeza. O que Ele nos diz é que devemos levar essas ansiedades aos Seus pés, exercendo nossa gratidão com lábios sinceros. E assim, unidos com Deus na mente e no coração, participamos da sua glória, manifesta nessa alegria. Nós lançamos diante dele a nossa dor, e Ele nos garante que Sua “paz que excede todo o entendimento guardará nossos sentimentos e pensamentos ( Fp 4:6 e7).

Esse é o segredo da Alegria Verdadeira!

Isaías Oliveira é membro na IBBR.
Escreve para o blog semanalmente.

A opinião expressa neste blog é responsabilidade do autor.

Estou em processo

Posted by | Estudos e devocionais | No Comments

“Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus”.  Filipenses 1:6 

E quem não está? A ideia não é original, pelo menos parece não ser. A gente vive uma realidade em que ninguém tem a coragem de se dizer completo. Isso não é uma coisa que tenha lá muito prestígio social.

Todo mundo diz que está aprendendo, que está na sua jornada pessoal pelo seu Caminho de Santiago. Tema antigo para quem costuma andar pelas trilhas do novo misticismo, celebrado em livros e filmes. Mas existe uma diferença. O processo aqui de Filipenses é orientado. Não por forças cósmicas cheias de um sentido misterioso, mas pelo próprio Deus, assevera Paulo. E dura a vida toda!

Paulo tratou do tema mais de uma vez. A ideia é sempre de progressão, de crescimento. Somos como crianças no mundo, Paulo ensina, caindo e levantando, para cair e levantar de novo! Mas, então, ele nos lembra que ali do lado está um Deus que nos ampara, mostra onde erramos e continua pacientemente nos ensinando.

Isso é libertador!  Assim como os pais entendem que seu bebê não tem que sair correndo no primeiro passo, Deus sabe que algumas vezes nós cairemos, teremos medo, seremos duros para aprender a lição e talvez até o neguemos com nossos atos. O que Ele deseja é que após cada passo vacilante siga um passo mais seguro, que depois de um som mal articulado siga uma palavra completa, e, talvez, umas frases bem articuladas.

Quando-a-Criança-Começa-a-Andar

E assim vamos trilhando o caminho que Deus preparou para nós, e atuando numa história que vai sendo construída por mãos poderosas e nossa fé humana na capacidade dessas mãos. Desse modo (1:9 e 10) crescemos em conhecimento e disso brota uma percepção mais apurada, o que nos leva a discernir melhor as coisas pelo caminho, até que cheguemos à “estatura de Cristo” (Efésios 4:13, ACF).

Um lembrete, embora o processo seja diferente para cada pessoa, ele não é solitário. Vivemos em comunidade,  todos neste processo. E em muitos casos nós somos as mãos de Deus amparando os nossos irmãos. A jornada é pessoal, mas em comunidade!

Não perca as oportunidades de perceber como Deus age em sua vida, as coisas que te ensina e o que deseja para você. Os seguidores de Cristo eram chamados de “discípulos”, um termo que significa “aluno”. Aceitar-se como discípulo/aluno é o primeiro e mais importante passo no aprendizado conduzido por Cristo. O segundo, tão importante quanto o primeiro, é continuar sendo discípulo por toda a vida!

Afinal, estamos em processo!

 

Algumas referências: Ef 4:11-14; 1ª Co 13:11-13; 1ª Pe 5:10.

Isaías Oliveira é membro na IBBR.
Escreve para o blog semanalmente.

A opinião expressa neste blog é responsabilidade do autor.

Nem jovem, nem velho? Nem adolescente, nem adulto? Vem se encontrar com a gente!

Posted by | Novidades | No Comments

No dia 16 de outubro, às 19h30, vai ter churrasco na IBBR para quem se considera jovem para ser velho ou velho para ser jovem. Se você está nessa fase, não sabe direito onde se encaixa, não se acha tão adulto, mas também não cabe mais no culto da juventude, aqui é seu lugar!

Confirme sua presença com o Samuka Almeida ou com seu líder de célula!

R$ 15 por pessoa.

job POST (1)

Eu tenho a força?

Posted by | Estudos e devocionais, Novidades | No Comments

 Tudo posso [em Cristo] naquele que me fortalece. Filipenses 4:13

Texto muito conhecido…Fora do seu contexto. Citado assim, solto, dá uma ideia de poder, quase como se fosse um amuleto, uma frase mágica que pode te transformar em…

Sintoma de uma época em que vale mais o discurso de uma fé ufanista que as ações derivadas da fé sincera. Entretanto, basta uma olhada no versículo anterior para desfazer o erro: Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação.  Esse é um segredo importante para uma vida, em todos os sentidos, saudável. E um princípio cristão inegociável, praticado durante os últimos dois milênios por todos aqueles que foram tocados pela verdadeira paz que “excede todo entendimento” (v. 7).

Isso não é estoicismo. Nada de indiferença filosófica. É o fruto de uma fé madura. Não é tornar-se um tipo de robô incapaz de sentir. Não é ser “forte” no sentido de reprimir a todo custo nossos sentimentos. Pelo contrário, até  o Jesus chorou!(Jo 11:35)

É conhecimento e é mais que conhecimento! Todo ensino passa pelo intelecto, mas ele precisa frutificar, ser incorporado ao nosso ser de tal modo que passe a ser parte da nossa natureza. Paulo chama isso de ter a “mente de Cristo”(1 Co 2:16). Isso se dá por meio da prática (Fp 4:9). Paulo não era indiferente ou insensível, ele sentia as dores como todos nós, mas sabia que por meio de tudo isso ele era conduzido a algo melhor.

É uma grande ajuda, quando você passa por dificuldades, saber o seu objetivo. Quando isso acontece, as coisas não parecem mais tão assustadoras e você consegue ver os raios de sol num dia nublado.

Filipenses

E existe um “lado b” nesta fita (80’s), o texto reconhece que mesmo coisas aparentemente boas podem produzir resultados ruins. Vivemos um tempo de abundância – apesar das crises – se comparado à épocas passadas, e nossa geração é uma das mais iludidas com todas estas coisas que são apenas temporárias. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, ensina o apóstolo!

Paulo já aprendera (2ª Co 12:09) que o poder de Deus se manifesta na fraqueza humana. Com isso em mente, podemos entender o texto como “eu tudo posso suportar, mesmo as coisas boas, em Cristo que me fortalece”. Este é um contentamento que independe das circunstâncias exteriores.

Que tal praticar um pouco deste contentamento com tudo o que você tem HOJE?

Essa é a fortaleza inabalável de quem é fortalecido por Cristo!

Isaías Oliveira é membro na IBBR.
Escreve para o blog semanalmente.

A opinião expressa neste blog é responsabilidade do autor.

Desista… de desistir!

Posted by | Estudos e devocionais, Novidades, Pra você | 4 Comments

Irmãos, não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus.  Filipenses 3: 13, 14- NVI.

Desistir. Quem nunca pensou em largar algo que parecia além de suas forças? Quando eu me defronto com situações assim, e elas acontecem muito comigo, é na Carta aos Filipenses que encontro o conselho de quem soube viver com as adversidades.

No texto que você leu acima, Paulo fala de algo bem específico, o fim da fé, seu objetivo, que é alcançar a vida eterna. O interessante é que falando desse ideal tão elevado, Paulo nos alimenta com um princípio de vida cristã que pode nos ajudar numa série de outras situações que não estão diretamente relacionadas com a ressurreição dos mortos.

Paulo entendia que (v 12) ainda não tinha sido “aperfeiçoado”, ele olhava para si mesmo e via imperfeições. Apesar de todo o conhecimento que alcançara enquanto era fariseu (vs 4-7), ele entendia que conhecer a Cristo tornava tudo isso como “esterco” (v. 8) e que sua finalidade, apesar das coisas passadas, era continuar crescendo nesse conhecer.

Mas o aprendizado tem um preço, e Paulo mais do que ninguém entendia isso. Para aprender erramos muito, o caminho da perfeição é pavimentado com sofrimento.

corrida1

Você pode, ensina Paulo, pensar apenas nas vezes que falhou, ou pode, como ele, focar o alvo. Esse é o seu ensino, que uma pessoa não deve deixar que as falhas travem seu progresso. É preciso continuar, é necessário deixar o que passou para trás.

Não passou no vestibular? Não conseguiu aquele emprego? Não corre cinco quilômetros em 30 minutos? Ora, você aprendeu com o processo, agora deixe aqui a frustração e aproveite o bem que obteve, sua experiência, para tentar de novo ano que vem.

E aprendendo essa lição nas pequenas coisas você tem um quadro do que te espera lá adiante, no local onde estão as “grandes coisas”.

Ei, deixe esse obstáculo aí, você já passou por ele, ali na frente tem outro, mas você está mais forte agora.
O prêmio é garantido para todos os que não desistem!

P.S. Como eu gosto muito de Filipenses, e na verdade sempre quis passar um tempo maior com ela, vou continuar escrevendo sobre ela nas próximas semanas. Desse modo aqui, simples e sincero.

Isaías Oliveira é membro na IBBR.
Escreve para o blog quinzenalmente.

A opinião expressa neste blog é responsabilidade do autor.